mai
15
2012

Receita de TIC no Brasil cresce 10,9% em 2011, para US$ 197 bilhões

O mercado brasileiro de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) gerou uma receita de 197 bilhões de dólares em 2011, com crescimento de 10,9% sobre os negócios movimentados no ano anterior. Desse total, a indústria de TI respondeu por 102,6 bilhões, de dólares com incremento de 11,3% e Telecom por 94 bilhões de dólares, com expansão de 10,4%, em comparação com o faturamento de 2011.

Os dados constam de relatório da IDC encomendado pela Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom) e divulgado nesta segunda-feira (14/05).

A pesquisa mostra que o setor de TI tem peso significativo na economia do País, tendo respondido por 4,4% do Produto Interno Bruto (PIB) no ano passado. A Brasscom destaca que a indústria é essencial para a competitividade e produtividade da economia nacional por contribuir para o aumento de eficiência dos mais diversos segmentos.

Com as compras de TI aquecidas, o segmento cresce a taxas que são pelo menos o dobro da expansão do PIB, com projeção de 9% para 2012. Porém, o presidente da Brasscom, Antonio Gil, observa que o setor enfrenta desafios para sua plena expansão no País, como custos competitivos, qualificação profissional, melhoria da infraestrutura e fomento de inovação nacional, contemplados no Plano Brasil Maior.

“O governo federal inseriu TIC na agenda de desenvolvimento nacional, fornecendo as condições para que o mercado atinja nos próximos dez anos a representação de 6% a 7% do PIB, observada em países desenvolvidos”, diz. Ele acredita que o Brasil tem capacidade para se tornar um dos quatro principais centros de TI até 2022 e gerar faturamento de US$ 210 bilhões, mais que o dobro dos US$ 102,5 bilhões reportado no ano passado.

A maior fatia do faturamento total de TI, provém do segmento TI In-House (41,6 bilhões de dólares), que é a tecnologia desenvolvida pelo governo e por empresas de outros setores da economia. Hardware vem na segunda posição com grande expressão, 29,9 bilhões de dólares. Em seguida, aparecem serviços (14,7 bilhões de dólares), software (6,18 bilhões de dólares) e Business Process Outsourcing (5,6 bilhões de dólares). O estudo contempla apenas o mercado interno, sem contabilizar exportações e operações internacionais.

.

Fonte: Originalmente publicado por ComputerWorld em 14 de maio de 2012 – 13h57