jul
11
2012

Cinco passos para melhorar o gerenciamento dos dados

O volume de dados gerado pelas empresas ao redor do mundo chega a 2,2 zettabytes. As grandes possuem cerca de 100 mil terabytes de informações, enquanto que os pequenos e médios negócios (PMEs) guardam aproximadamente 563 terabytes de informações. Esse número deverá crescer 67% nas grandes organizações e 178% nas PMEs este ano, segundo um novo relatório da Symantec.

 

Esses números podem ser difíceis de visualizar. Então imagine o seguinte: 10 kilobytes é o equivalente aos dados de um texto que preenchem uma única folha de papel tamanho A4. Se você fosse empilhar as folhas de papel, 1 milhão de terabytes (ou folhas de papel) daria uma pilha tão alta quanto o Empire State Building (1.454 pés) de Nova York. E 2,2 zettabytes seriam suficientes para fazer 1.287 pilhas do tamanho desse prédio ou uma distância equivalente a 374 quilômetros.

“O aumento do volume de informações está se tornando muito crítico”, afirma C.J. Desai, vice-presidente sênior da divisão de Gerenciamento de Informação da Symantec. Os dados, ou o chamado Big Data, estão crescendo muito rapidamente e as organizações precisam uma compreensão completa de como, onde e porque eles estão se avolumando.

Desai informa que um CIO veterano de TI que atua no segmento financeiro disse que a quantidade de dados gerados diariamente pelo seu data center e maior que a que era  produzida em um ano inteiro na década de 90.

Custos do armazenamento
O motivo para as organizações terem que analisar com clareza o crescimento de suas informações são as despesas mundiais com dados empresariais que chegam a 1,1 trilhão de dólares por ano. Ao dividir esse valor pela quantidade de organizações, a Symantec estima que as grandes companhias gastam 38 milhões de dólares por ano com armazenamento das informações,,  enquanto a PMEs desembolsam em média 332 mil dólares.

A imensa quantidade de dados que as companhias produzem atualmente pode ajudá-las a atender melhor seus clientes e aumentar a produtividade, afirma Francis de Souza, vice-presidente da unidade Enterprise Products and Services da Symantec. Entretanto, as mesmas informações também podem se tornar um grande problema se não forem devidamente tratadas e protegidas.

Entre os entrevistados da pesquisa da Symantec, 49% disseram que suas informações são valiosas para os negócios. Isso significa que a perda em caso de algum incidente pode ser pode ser catastrófica. Elas podem também perder clientes, ter a imagem arranhada e sofrer prejuízos financeiros.

“As empresas estão dizendo que as informações estão avaliadas em quase metade do seu valor de mercado”, conta Desai. “Todo o seu IP está em seus dados. Se essa informação se perde e ela não tem chance de recuperação rápida por causa de alguma falha da máquina ou desastre natural”.

Proteção dos dados
No entanto, apesar do perigo, as organizações estão tendo problemas com a segurança de dados, segundo constatou a pesquisa da Symantec. O relatório revelou que 69% das companhias entrevistadas perderam informações de negócios importantes nos últimos 12 meses. As causas foram erro humano, falha de hardware e software, além de roubo ou perda de dispositivos móveis com informações sensíveis.

Entre as entrevistas, 69% reportaram que tiveram informações confidenciais expostas, enquanto 31% alegaram falhas de conformidade com as boas práticas de segurança.

Trinta por cento delas disseram que a expansão do volume de informações foi um fator significativo nestes acidentes. “Nossa maior preocupação” é a falta de capacidade para controlar e realmente entender a grande quantidade de dados que geramos”, diz um CIO  de uma organização do setor financeiro. “Temos tanta informação que é difícil colocá-las todas juntas. Com todos os regulamentos diferentes na indústria financeira, torna-se muito difícil.”.

De fato, diz Desai, 42% dos dados armazenados pelas organizações são duplicados e compartilhados por outros equipamentos. Um exemplo é o e-mail, guardado no servidor de backup, mas que os anexos são copiados para dispositivo móvel.

O executivo adverte que os dados precisam ser armazenados corretamente. “Concentre-se na informação e não no data center ou nos dispositivos. Você Acompanha o seu fluxo, sabe onde estão guardados e rastrea dados confidenciais?”, questiona Desai.

Veja a seguir cinco dicas para melhor gerenciamento de seus dados:

1-    Concentre-se na informação e não no data center ou device
Foque na na construção de uma infraestrutura que otimize a capacidade da companhia de encontrar, acessar e utilizar informações críticas dos negócios. As principais tecnologias para isso incluem virtualização, computação em nuvem e dispositivos móveis.

2- Ganhe competência para avaliar e tratar seus dados
 Conheça a sua informação e perceba que as bases não são iguais. Muitas organizações não armazenam dados básicos, não sabem quem é o dono específico dentro da companhia nem como usá-los para ganhar vantagem competitiva.

É importante mapear e classificar as informações para descobrir o seu real valor. Feito isso, você pode mais facilmente priorizar os recursos de proteção, segurança  para gerenciar a informação que realmente é importante.

3- Seja eficiente.
Faça deduplicação e adote tecnologias de arquivamento para proteger mais e armazenar menos. Guarde somente o que você realmente precisa.

4-Defina políticas consistentes.
Estabeleça regras para armazenamento da informação, seja em ambientes físicos, virtuais ou de nuvem. Esta classificação unifica dados, automatiza, ajuda a descobrir quem é o seu dono, controla o acesso, distribuição e acelera o processo de eDiscovery.

5- Mantenha-se ágil.
Planeje o futuro. A empresa precisa das informações rapidamente para a tomada de decisão e isso exige a implementação de uma infraestrutura flexível e capaz de suportar crescimento contínuo dos dados.

.

Fonte: Originalmente publicado por CIO em 11 de julho de 2012 – 07h30