jun
28
2012

Oracle x HP: decisão sobre caso Itanium deve sair em julho

Os advogados da Hewlett-Packard e da Oracle argumentaram visões opostas sobre as obrigações dos fornecedores em relação ao processador Itanium ontem (26/7), na Suprema Corte de Santa Clara, Califórnia, Estados Unidos. Na ocasião, eles fizeram alegações finais no processo judicial que vai avaliar se a Oracle tinha o direito de parar de incluir em seus produtos a plataforma Itanium, da HP.

Jeff Thomas, advogado principal da HP no caso, lembrou do chamado “Acordo Hurd”, que as empresas assinaram em 2010, em que diziam que iriam continuar a trabalhar juntas e estabelecia comprometimento da Oracle para continuar a suportar novas versões de banco de dados e outras tecnologias com o processador Itanium.

Não foi bem assim, argumentou o advogado da Oracle, Daniel Wall. Como um fornecedor independente de software (ISV), a Oracle tinha o poder de encerrar o suporte ao Itanium antes do “Acordo Hurd”. O fato de a Oracle ter vendido produtos com Itanium por dez anos não cria uma obrigação permanente, reforçou.

As alegações finais perante o juiz James Kleinberg, da Suprema Corte de Santa Clara, vão balizar a decisão de Kleinberg. Se ele entender que as fabricantes tinham um acordo para não deixar de inserir a plataforma da HP nas soluções Oracle, um júri decidirá se a Oracle violou o contrato. Kleinberg deverá se pronunciar depois de 16 de julho.

Histórico

Em junho de 2011, a HP processou a Oracle depois de um anúncio realizado pela empresa de Redwood City, em março de 2011, que dizia que ela não venderia mais plataformas com a tecnologia Itanium, chip que a HP desenvolveu com a Intel para servidores de missão crítica. A Oracle disse que tomou a decisão porque identificou que a HP estava, secretamente, planejando o fim do processador. Atualmente, quase todos os servidores da HP usam chips Itanium.

Mas a tensão entre as empresas pode ter começado mais de um ano antes, quando a Oracle passou a competir diretamente com os negócios de hardware da HP com a aquisição da Sun Microsystems. A situação piorou quando Mark Hurd, ex-CEO da HP, foi contratado pela Oracle um mês depois da demissão na empresa de Cupertino. A HP processou Hurd alegando que ele iria usar o conhecimento interno contra seu antigo empregador. O “Acordo Hurd” foi realizado em uma tentativa de eliminar a briga entre as empresas e foi anunciado em 20 de setembro de 2010.

De lá para cá, as desavenças entre as empresas cresceram ainda mais. Pouco depois do acordo, a HP contratou Ray Lane, ex-executivo da Oracle, eLeo Apotheker, ex-líder da SAP, dois inimigos conhecidos da Oracle. A HP também disse que a Oracle estava desistindo do suporte ao Itanium para fazer com que clientes usassem suas próprias plataformas de hardware.

.

Fonte: Originalmente publicado por IDG NEWS SERVICE/SAN FRANCISCO BUREAU em 27 de junho de 2012 – 12h05