dez
22
2011

Infraestrutura está no centro da estratégia da HP

Na HP, a era Leo Apotheker, que queria focar em serviços e software, está prestes a ficar para trás. Agora sob comando da CEO, Meg Whitman, a companhia busca impulsionar a oferta de infraestrutura baseada em arquitetura convergente. “Somos uma empresa que oferece produtos desde hardware até software e serviços. A HP é completa e esse é nosso diferencial”, afirma Rich Geraffo (foto), vice-presidente sênior e managing director da HP Enterprise Business para a região das Américas.

Segundo o executivo, em 2012 a organização quer reforçar posicionamento como fornecedora de tecnologias que atende necessidades de companhias de ponta a ponta. Ele diz que, no Brasil, há grande oportunidade, especialmente nos setores de Finanças, Saúde e Telecom, que estão demandando infraestrutura. “Eles buscam modernizar servidores, storage, rede e aprimorar a gestão de desempenho porque querem conquistar o estado da arte em TI”, assinala.

Redução de energia e espaço físico fazem parte também da lista de desafios das organizações, pontua, e com a aquisição da 3PAR a HP conseguiu endereçar essas questões. “Estamos eliminando consumo de energia com a estratégia de estrutura convergente. Com 3PAR, clientes puderam reduzir necessidade de storage de 18 terabytes para 2 terabytes”, exemplifica.

Geraffo diz que parcerias têm fortalecido atuação da HP no setor. VMware e Alcatel são alguns exemplos. Recentemente, estabeleceu aliança com a Microsoft para disponibilizar soluções de colaboração, como o Microsoft Office 365 e o HP Enterprise Cloud Services, na nuvem, seja ela privada, pública ou híbrida.

Cloud computing é, segundo Geraffo, foco de investimento da organização. “Nossos clientes estão começando a se sentir mais confortáveis para migrar dados para a nuvem. A HP tem arquitetura adequada e garante segurança para aqueles que querem adotar cloud”, assegura. “Provemos infraestrutura para clientes que vão usar cloud, serviços para quem quer vender soluções na nuvem e podemos oferecer serviços diretamente”, explica Juarez Zortea, vice-presidente Comercial da HP.

Gestão de dados é outra área crítica. Por isso que a HP comprou a Automony, que faz buscas de dados não estruturados como e-mail e vídeos, e da Vertica, especializada em análise de grande volume de informações, o chamado Big Data. “Companhias estão tendo de lidar com montanhas de informações. Queremos ajudá-las a eliminar esse desafio”, aponta Geraffo.

.

Fonte: Originalmente publicado por COMPUTERWORLD em 21 de dezembro de 2011 – 11h00