jan
13
2012

Gerentes de TI em saúde estão atrasados na implementação de cloud computing

Os gerentes de TI em saúde entendem que a computação em nuvem tem seus benefícios, mas muitos desses profissionais estão preocupados com a privacidade e segurança dos dados e estão retardando os planos para mover as informações de pacientes críticos em sistemas baseados em cloud, de acordo com um estudo recente da Klas.

Estudo publicado recentemente – O perplexo caminho para Cloud Computing: estudo de percepção – entrevistou 97 CIOs e outros executivos do setor em organizações de saúde, descobriu que enquanto 58% dos entrevistados estão avaliando o uso de cloud computing, apenas 35% manifestaram interesse na tecnologia e disseram ter planos concretos para implementá-la.

Pesando fortemente na mente dos CIOs, é como gerenciar o crescimento exponencial de dados que vieram com a mudança de registros médicos digitalizados, bem como o crescimento da digitalização de imagens médicas. Com orçamentos mais apertados e uma necessidade de fazer mais com menos, as organizações de assistência à saúde estão avaliando a computação em nuvem como uma forma de cortar custos e criar uma maior eficiência, mas o pensamento de colocar os dados do paciente sensível em um ambiente de nuvem ainda é uma preocupação para muitos gerentes de TI em saúde.

“Há mais e mais dados lá fora, mas muitos gestores de TI em saúde estão se movendo muito cautelosamente e fazendo a sua diligência”, disse Erik Westerlind, autor do relatório. Westerlind afirma que uma das principais preocupações desses gestores é se a computação em nuvem pode ajudá-los a cumprir suas obrigações em conformidade com a regra de privacidade da Health Insurance Portability and Accountability Act (HIPAA), que exige médicos para proteger a privacidade e a segurança da informação médica dos doentes.

De acordo com Westerlind, a indústria da saúde ainda está nos estágios iniciais da adoção de nuvem. Ele observou que as organizações ainda têm feito a transição de dados críticos de seus registros de saúde eletrônicos (EHRs, da sigla em inglês), contabilidade do paciente e Enterprise Resource Planning (ERP) para um ambiente de nuvem.

No entanto, 60% dos entrevistados disseram que a redução de custos seria o maior benefício. Usando computação em nuvem, gestores de TI em saúde evitariam o pagamento de adicional para o armazenamento e infraestrutura de rede, tais como as despesas associadas com os custos de hardware, trabalho e manutenção de sistemas de armazenamento. Além disso, muitos entrevistados observaram que eles se beneficiariam com a recuperação de desastres avançada e serviços de continuidade de negócios.

Ainda assim, muitos gerentes dizem que estão à espera do amadurecimento da computação em nuvem para melhor atender às suas necessidades de segurança de dados. Nesse meio tempo, eles estão prestando mais atenção nas questões urgentes de atender aos requisitos do Meaningful Use e na transição para estabelecer o código CID-10.

O estudo também descobriu que muitos dos entrevistados estão preocupados que as nuvens públicas, como as que estão sendo oferecidas pela Amazon e Google, podem não fornecer a segurança adequada dos dados, privacidade e controle da informação.

Por outro lado, nuvens privadas angariam maior confiança, especialmente entre as pequenas práticas médicas, que têm identificado o custo e a segurança como os benefícios de conectar seus registros eletrônicos de saúde para o sistema de software como um serviço (SaaS) baseado em nuvem gerido por organizações maiores.

Para os hospitais maiores, a mudança para a tecnologia cloud é mais temperada e ocorrerá em etapas, iniciando com o movimento de aplicações não críticas para a nuvem e atrasando dados de missão crítica. O estudo também descobriu que os executivos de hospitais maiores citam outras barreiras atrasando sua transição para a computação em nuvem.

“Alguns, principalmente os provedores maiores, consultam o custo da nuvem para ser proibitivo, dizendo que eles podem fazer a mesma coisa internamente com o mesmo custo ou menos. Outros ainda manifestaram preocupação com a conectividade e a disponibilidade e indicou que eles não vão ponderar a possibilidade de aplicações na nuvem que exigem alta disponibilidade”, afirma o relatório.

No que diz respeito à fixação de um prazo para adoção de nuvem, 68% dos entrevistados disseram que planejam adotar cloud computing durante os próximos 12 meses, 24% disseram que seus planos para a adoção de nuvens irão ocorrer durante os próximos 13-24 meses, e outros 8% disseram que a sua implementação de nuvem terá lugar durante os próximos dois anos.

.

Saiba como a HP e a AMR podem ajudá-lo

.

Fonte: Originalmente publicado por InformationWeek-BR em 12 de janeiro de 2012