dez
29
2011

5 grandes tendências de cloud computing

Cloud computing não é mais uma curiosidade como acontecia alguns anos atrás. As empresas hoje estão cada vez mais olhando para a computação em nuvem como um componente integral de sua estratégia de computação. O raciocínio é claro. Empresas agora entendem que a nuvem oferece a possibilidade de ser capaz de mais, sem ter problemas com mudança da TI e sem perder tempo e despesa de instalação, configuração e implantação de novos sistemas. Muitas empresas estão descobrindo que é muito mais fácil para experimentar e inovar com cloud computing do que com modelos de computação tradicional.

Mas como em qualquer área emergente ainda é muito cedo para declarar vitória. Computação em nuvem é complicada em muitos aspectos. Enquanto 2011 foi o ano em que a nuvem tomou seu lugar como uma estratégia legítima, 2012 será o ano em que as empresas precisarão lidar com questões operacionais de cloud computing. Portanto, eu estou prevendo cinco grandes tendências para a nuvem.

1ª Grande Tendência: gerenciamento de serviços para nuvem se tornará um requisito para adoção.
Está se tornando evidente que as empresas não adotarão um modelo único de implantação da nuvem, mas usarão uma combinação de vários serviços de nuvem pública (incluindo software como um serviço, infraestrutura como um serviço, e plataforma como um serviço), serviços privados de cloud bem como seu ambiente de computação tradicional. Isto é verdade especialmente para as empresas do mid-market e grandes empresas. A capacidade de gerenciar este ambiente híbrido será a diferença entre o sucesso e o fracasso. Em 2012, os clientes começarão a planejar e implementar uma estratégia de gerenciamento de serviços para a nuvem.

2ª Grande Tendência: Cloud Security será ampliada para abranger privacidade, compliance e governança.
Executivos de empresas passaram a se preocupar com a segurança em nuvem desde o momento em que a Amazon começou a oferecer serviços de nuvem pública. Embora haja uma variedade de opiniões sobre o quão seguro são os serviços de cloud, não existe uma prática consistente relacionada com a segurança da nuvem. Isso irá mudar em 2012. Este será o ano em que TI e gestão de negócios vão começar a lidar com as sutilezas das regras de configuração e processos – que nuvens usar em determinadas circunstâncias. Por exemplo, as comunidades de nuvem aberta, com pouca segurança e sem governança, serão de valor limitado para as empresas que têm de cumprir com a indústria e exigências governamentais. Por outro lado, há um segmento emergente de ofertas de cloud pública destinado às empresas que querem um maior nível de segurança e governança. Cada vez mais, as organizações estão olhando para as nuvens privadas, já que a governança precisa ser rigorosamente aplicada.

3ª GrandeTendência: O Acordo de Nível de Serviço torna-se um critério chave de compra.
Embora a ideia de um acordo de nível de serviço não seja nova, ainda não é bem compreendida no contexto da computação em nuvem. Uma das mudanças mais importantes que espero em 2012 é que as empresas passem a ter um olhar muito mais duro com a forma como os prestadores de serviços em nuvem oferecem SLAs. Todos os provedores de cloud computing oferecem um acordo de nível de serviço mais contratual, mas a maioria deles ainda declara para proteger o vendedor ao invés do cliente.

4ª Grande Tendência: gestão empresarial volta sua atenção à segurança de grandes dados.
As empresas estão começando a adotar tecnologias que lhes permitam gerenciar e analisar grandes volumes de dados de fontes diferentes. Assim como a atenção para big data irá expandir em 2012, as preocupações em proteger a segurança e a integridade dessas fontes compostas de dados também irão ampliar.

5ª GrandeTendência: a nova definição do ambiente de computação muda as expectativas do cliente.
Embora as organizações tenham se preocupado sempre com o desempenho de seus ambientes voltados para o cliente, o advento de modelos de computação em nuvem híbrida irá acrescentar o nível de urgência. Há uma diferença entre o nível de controle que tinha sobre o centro de dados e o controle de um ambiente híbrido que inclui serviços de cloud pública e privada (algumas aplicações de software como um serviço, a capacidade de demanda para os horários de pico, etc). As empresas vão exigir a capacidade de monitorar e medir o desempenho do ponto de vista da experiência do cliente.

.

Fonte: Originalmente publicado por InformationWeek – Brasil em 29 de dezembro de 2011